30 janeiro 2015

Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2015

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO
PARA A QUARESMA DE 2015
 Fortalecei os vossos corações (Tg 5, 8)

Amados irmãos e irmãs,
Tempo de renovação para a Igreja, para as comunidades e para cada um dos fiéis, a Quaresma é sobretudo um «tempo favorável» de graça (cf. 2 Cor 6, 2). Deus nada nos pede, que antes não no-lo tenha dado: «Nós amamos, porque Ele nos amou primeiro» (1 Jo 4, 19). Ele não nos olha com indiferença; pelo contrário, tem a peito cada um de nós, conhece-nos pelo nome, cuida de nós e vai à nossa procura, quando O deixamos. Interessa-Se por cada um de nós; o seu amor impede-Lhe de ficar indiferente perante aquilo que nos acontece. Coisa diversa se passa connosco! Quando estamos bem e comodamente instalados, esquecemo-nos certamente dos outros (isto, Deus Pai nunca o faz!), não nos interessam os seus problemas, nem as tribulações e injustiças que sofrem; e, assim, o nosso coração cai na indiferença: encontrando-me relativamente bem e confortável, esqueço-me dos que não estão bem! Hoje, esta atitude egoísta de indiferença atingiu uma dimensão mundial tal que podemos falar de uma globalização da indiferença. Trata-se de um mal-estar que temos obrigação, como cristãos, de enfrentar.
Quando o povo de Deus se converte ao seu amor, encontra resposta para as questões que a história continuamente nos coloca. E um dos desafios mais urgentes, sobre o qual me quero deter nesta Mensagem, é o da globalização da indiferença.
Dado que a indiferença para com o próximo e para com Deus é uma tentação real também para nós, cristãos, temos necessidade de ouvir, em cada Quaresma, o brado dos profetas que levantam a voz para nos despertar.
A Deus não Lhe é indiferente o mundo, mas ama-o até ao ponto de entregar o seu Filho pela salvação de todo o homem. Na encarnação, na vida terrena, na morte e ressurreição do Filho de Deus, abre-se definitivamente a porta entre Deus e o homem, entre o Céu e a terra. E a Igreja é como a mão que mantém aberta esta porta, por meio da proclamação da Palavra, da celebração dos Sacramentos, do testemunho da fé que se torna eficaz pelo amor (cf. Gl 5, 6). O mundo, porém, tende a fechar-se em si mesmo e a fechar a referida porta através da qual Deus entra no mundo e o mundo n'Ele. Sendo assim, a mão, que é a Igreja, não deve jamais surpreender-se, se se vir rejeitada, esmagada e ferida.
Por isso, o povo de Deus tem necessidade de renovação, para não cair na indiferença nem se fechar em si mesmo. Tendo em vista esta renovação, gostaria de vos propor três textos para a vossa meditação.
1. «Se um membro sofre, com ele sofrem todos os membros» (1 Cor 12, 26): A Igreja.
Com o seu ensinamento e sobretudo com o seu testemunho, a Igreja oferece-nos o amor de Deus, que rompe esta reclusão mortal em nós mesmos que é a indiferença. Mas, só se pode testemunhar algo que antes experimentámos. O cristão é aquele que permite a Deus revesti-lo da sua bondade e misericórdia, revesti-lo de Cristo para se tornar, como Ele, servo de Deus e dos homens. Bem no-lo recorda a liturgia de Quinta-feira Santa com o rito do lava-pés. Pedro não queria que Jesus lhe lavasse os pés, mas depois compreendeu que Jesus não pretendia apenas exemplificar como devemos lavar os pés uns aos outros; este serviço, só o pode fazer quem, primeiro, se deixou lavar os pés por Cristo. Só essa pessoa «tem a haver com Ele» (cf. Jo 13, 8), podendo assim servir o homem.
A Quaresma é um tempo propício para nos deixarmos servir por Cristo e, deste modo, tornarmo-nos como Ele. Verifica-se isto quando ouvimos a Palavra de Deus e recebemos os sacramentos, nomeadamente a Eucaristia. Nesta, tornamo-nos naquilo que recebemos: o corpo de Cristo. Neste corpo, não encontra lugar a tal indiferença que, com tanta frequência, parece apoderar-se dos nossos corações; porque, quem é de Cristo, pertence a um único corpo e, n'Ele, um não olha com indiferença o outro. «Assim, se um membro sofre, com ele sofrem todos os membros; se um membro é honrado, todos os membros participam da sua alegria» (1 Cor 12, 26).
A Igreja é communio sanctorum, não só porque, nela, tomam parte os Santos mas também porque é comunhão de coisas santas: o amor de Deus, que nos foi revelado em Cristo, e todos os seus dons; e, entre estes, há que incluir também a resposta de quantos se deixam alcançar por tal amor. Nesta comunhão dos Santos e nesta participação nas coisas santas, aquilo que cada um possui, não o reserva só para si, mas tudo é para todos. E, dado que estamos interligados em Deus, podemos fazer algo mesmo pelos que estão longe, por aqueles que não poderíamos jamais, com as nossas simples forças, alcançar: rezamos com eles e por eles a Deus, para que todos nos abramos à sua obra de salvação.
2. «Onde está o teu irmão?» (Gn 4, 9): As paróquias e as comunidades
Tudo o que se disse a propósito da Igreja universal é necessário agora traduzi-lo na vida das paróquias e comunidades. Nestas realidades eclesiais, consegue-se porventura experimentar que fazemos parte de um único corpo? Um corpo que, simultaneamente, recebe e partilha aquilo que Deus nos quer dar? Um corpo que conhece e cuida dos seus membros mais frágeis, pobres e pequeninos? Ou refugiamo-nos num amor universal pronto a comprometer-se lá longe no mundo, mas que esquece o Lázaro sentado à sua porta fechada (cf. Lc 16, 19-31)?
Para receber e fazer frutificar plenamente aquilo que Deus nos dá, deve-se ultrapassar as fronteiras da Igreja visível em duas direcções.
Em primeiro lugar, unindo-nos à Igreja do Céu na oração. Quando a Igreja terrena reza, instaura-se reciprocamente uma comunhão de serviços e bens que chega até à presença de Deus. Juntamente com os Santos, que encontraram a sua plenitude em Deus, fazemos parte daquela comunhão onde a indiferença é vencida pelo amor. A Igreja do Céu não é triunfante, porque deixou para trás as tribulações do mundo e usufrui sozinha do gozo eterno; antes pelo contrário, pois aos Santos é concedido já contemplar e rejubilar com o facto de terem vencido definitivamente a indiferença, a dureza de coração e o ódio, graças à morte e ressurreição de Jesus. E, enquanto esta vitória do amor não impregnar todo o mundo, os Santos caminham connosco, que ainda somos peregrinos. Convicta de que a alegria no Céu pela vitória do amor crucificado não é plena enquanto houver, na terra, um só homem que sofra e gema, escrevia Santa Teresa de Lisieux, doutora da Igreja: «Muito espero não ficar inactiva no Céu; o meu desejo é continuar a trabalhar pela Igreja e pelas almas» (Carta 254, de 14 de Julho de 1897).
Também nós participamos dos méritos e da alegria dos Santos e eles tomam parte na nossa luta e no nosso desejo de paz e reconciliação. Para nós, a sua alegria pela vitória de Cristo ressuscitado é origem de força para superar tantas formas de indiferença e dureza de coração.
Em segundo lugar, cada comunidade cristã é chamada a atravessar o limiar que a põe em relação com a sociedade circundante, com os pobres e com os incrédulos. A Igreja é, por sua natureza, missionária, não fechada em si mesma, mas enviada a todos os homens.
Esta missão é o paciente testemunho d'Aquele que quer conduzir ao Pai toda a realidade e todo o homem. A missão é aquilo que o amor não pode calar. A Igreja segue Jesus Cristo pela estrada que a conduz a cada homem, até aos confins da terra (cf. Act 1, 8). Assim podemos ver, no nosso próximo, o irmão e a irmã pelos quais Cristo morreu e ressuscitou. Tudo aquilo que recebemos, recebemo-lo também para eles. E, vice-versa, tudo o que estes irmãos possuem é um dom para a Igreja e para a humanidade inteira.
Amados irmãos e irmãs, como desejo que os lugares onde a Igreja se manifesta, particularmente as nossas paróquias e as nossas comunidades, se tornem ilhas de misericórdia no meio do mar da indiferença!
3. «Fortalecei os vossos corações» (Tg 5, 8): Cada um dos fiéis
Também como indivíduos temos a tentação da indiferença. Estamos saturados de notícias e imagens impressionantes que nos relatam o sofrimento humano, sentindo ao mesmo tempo toda a nossa incapacidade de intervir. Que fazer para não nos deixarmos absorver por esta espiral de terror e impotência?
Em primeiro lugar, podemos rezar na comunhão da Igreja terrena e celeste. Não subestimemos a força da oração de muitos! A iniciativa 24 horas para o Senhor, que espero se celebre em toda a Igreja – mesmo a nível diocesano – nos dias 13 e 14 de Março, pretende dar expressão a esta necessidade da oração.
Em segundo lugar, podemos levar ajuda, com gestos de caridade, tanto a quem vive próximo de nós como a quem está longe, graças aos inúmeros organismos caritativos da Igreja. A Quaresma é um tempo propício para mostrar este interesse pelo outro, através de um sinal – mesmo pequeno, mas concreto – da nossa participação na humanidade que temos em comum.
E, em terceiro lugar, o sofrimento do próximo constitui um apelo à conversão, porque a necessidade do irmão recorda-me a fragilidade da minha vida, a minha dependência de Deus e dos irmãos. Se humildemente pedirmos a graça de Deus e aceitarmos os limites das nossas possibilidades, então confiaremos nas possibilidades infinitas que tem de reserva o amor de Deus. E poderemos resistir à tentação diabólica que nos leva a crer que podemos salvar-nos e salvar o mundo sozinhos.
Para superar a indiferença e as nossas pretensões de omnipotência, gostaria de pedir a todos para viverem este tempo de Quaresma como um percurso de formação do coração, a que nos convidava Bento XVI (Carta enc. Deus caritas est, 31). Ter um coração misericordioso não significa ter um coração débil. Quem quer ser misericordioso precisa de um coração forte, firme, fechado ao tentador mas aberto a Deus; um coração que se deixe impregnar pelo Espírito e levar pelos caminhos do amor que conduzem aos irmãos e irmãs; no fundo, um coração pobre, isto é, que conhece as suas limitações e se gasta pelo outro.
Por isso, amados irmãos e irmãs, nesta Quaresma desejo rezar convosco a Cristo: «Fac cor nostrum secundum cor tuum – Fazei o nosso coração semelhante ao vosso» (Súplica das Ladainhas ao Sagrado Coração de Jesus). Teremos assim um coração forte e misericordioso, vigilante e generoso, que não se deixa fechar em si mesmo nem cai na vertigem da globalização da indiferença.
Com estes votos, asseguro a minha oração por cada crente e cada comunidade eclesial para que percorram, frutuosamente, o itinerário quaresmal, enquanto, por minha vez, vos peço que rezeis por mim. Que o Senhor vos abençoe e Nossa Senhora vos guarde!
Vaticano, Festa de São Francisco de Assis, 4 de Outubro de 2014.

Francisco

22 janeiro 2015

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2015 - Dia 5

ANUNCIAÇÃO
Tu não tens sequer um balde e o poço é profundo (João 4,11)


Comentário
Jesus precisava de ajuda. Depois de uma longa caminhada, vem o cansaço. Exausto, exposto ao calor do meio dia, ele sente fome e sede. (Jo 4,6). Além disso, Jesus é um estrangeiro; é ele que está num território estrangeiro e o poço pertence ao povo da mulher. Jesus tem sede e, como diz a mulher samaritana, não tem balde para recolher a água. Ele precisa de água, ele precisa de ajuda: todos precisam de ajuda!
Muitos cristãos acreditam que somente eles têm todas as respostas e que não precisam da ajuda de ninguém. Perdemos muito quando mantemos essa perspectiva. Nenhum de nós pode chegar às profundezas do poço do divino e ainda assim a fé nos pede que nos aprofundemos no mistério. Não podemos fazer isso isoladamente. Precisamos da ajuda de nossos irmãos e irmãs em Cristo. Só assim poderemos mergulhar na profundidade do mistério de Deus.
Um ponto comum em nossa  fé, independentemente da Igreja a que pertencemos, é que Deus é um mistério além da nossa compreensão. A busca da unidade cristã nos leva ao reconhecimento de que nenhuma comunidade tem todos os meios de mergulhar nas águas profundas do divino. Precisamos de água, precisamos de ajuda: todos precisam de ajuda! Quanto mais crescermos na unidade, partilharmos nossos baldes e unirmos as partes de nossas cordas, mais profundamente mergulharemos no poço do divino.
A tradição indígena brasileira nos ensina a aprender com a sabedoria dos mais velhos e, ao mesmo tempo, com a curiosidade e a inocência das crianças. Quando estamos prontos para aceitar que realmente precisamos uns dos outros, nos tornamos como crianças, abertos para aprender. E é assim que o Reino de Deus se abre para nós (Mt 18,3). Precisamos fazer como Jesus fez. Precisamos tomar a iniciativa de entrar numa terra estrangeira, onde nos tornamos estrangeiros, e cultivar o desejo de aprender com o que é diferente.
Questões
  • 1. Você se lembra de situações em que sua Igreja tenha ajudado outra Igreja ou tenha sido ajudada por outra Igreja?
  • 2. Há reservas por parte da sua Igreja em aceitar ajuda de outra Igreja? Como isso pode ser superado?
Oração
Deus, fonte da água viva,
ajuda-nos a entender que, quanto mais unirmos as partes de nossas cordas,
mais profundamente nossos baldes chegarão até tuas divinas águas!
Desperta-nos para a verdade de que os dons do outro
são uma expressão do teu indefinível mistério.
E faze-nos sentar juntos à beira do poço
para beber da tua água,
que nos reúne em unidade e paz.
Isso te pedimos em nome de teu Filho Jesus Cristo,
que pediu à mulher samaritana que lhe desse água para a sua sede.
Amém.

20 janeiro 2015

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2015 - Dia 3

DENÚNCIA II
Eu não tenho marido (João 4,16-19)





Comentário
A mulher samaritana responde a Jesus: “Eu não tenho marido.” O assunto da conversa agora é a vida conjugal da mulher. Há uma mudança de termos no conteúdo do diálogo – da água para o marido: “Vai, chama o teu marido e volta aqui” (Jo 4,16). Mas Jesus sabe que a mulher tinha tido cinco maridos e que o homem que ela tem agora não é seu marido. Qual é a situação da mulher? Seu marido pediu divórcio? Ela era viúva?  Tinha filhos?  Essas perguntas surgem naturalmente quando lidamos com essa narrativa. No entanto, parece que Jesus estava interessado em outra dimensão da situação da mulher; ele tem conhecimento da vida da mulher mas permanece aberto a ela, vai ao seu encontro. Jesus não insiste numa interpretação moral da resposta dela, mas parece querer conduzi-la para além disso. E, como resultado, a atitude da mulher em relação a Jesus muda. A essa altura, os obstáculos de diferenças culturais e religiosas ficam para trás para dar espaço a algo muito mais importante: um encontro em confiança. O comportamento de Jesus nesse momento nos permite abrir novas janelas e levantar outras questões: questões que desafiam as atitudes que desmoralizam e marginalizam mulheres e também questões sobre as diferenças que permitimos que se coloquem  como bloqueio no caminho da unidade que buscamos e pela qual oramos. 
Questões
  • 1. Quais são as estruturas de pecado que podemos identificar em nossas comunidades?
  • 2. Qual é o lugar e o papel das mulheres em nossas comunidades?
  • 3. O que podem fazer as nossas Igrejas para prevenir  e superar a violência contra mulheres e meninas?
 


Oração
Tu que estás em todas as coisas, como podemos te chamar por qualquer outro nome?
Que canção poderíamos cantar para Ti? Palavras não podem te descrever.
Que espírito pode te perceber? Nenhuma inteligência pode te compreender.
Só Tu  não podes ser descrito; tudo que de Ti é dito vem de Ti.
Só Tu estás além do que podemos conhecer;  tudo o que sabemos vem de Ti.
Todas as criaturas Te proclamam, as que falam e as que são mudas.
Todos te desejam, todos suspiram e aspiram por Ti.
Tudo o que existe ora para Ti,
e todo ser que pode contemplar teu universo dedica a Ti um hino silencioso.
Tem piedade de nós, tu que estás além de todas as coisas.
Como te poderíamos chamar por qualquer outro nome?
Amém.
(Atribuído a Gregório Nazianzeno)

19 janeiro 2015

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2015 - Dia 2

DENÚNCIA   
Cansado da viagem, Jesus estava assim sentado na borda do poço (João 4, 5-6)



Comentário
Jesus tinha estado na Judéia antes de seu encontro com a mulher samaritana. Os fariseus tinham começado a espalhar a idéia de que  Jesus batizara mais discípulos do que João. Talvez esse tipo de  conversa tenha causado alguma tensão e desconforto. Talvez tenha sido essa a razão da decisão de Jesus de ir embora.
Chegando ao poço, Jesus resolve parar. Estava cansado de sua viagem. Sua fadiga poderia também ter algo a ver com o que estavam dizendo sobre ele. Enquanto descansava, uma mulher samaritana se aproximou do poço para tirar água. Esse encontro aconteceu no poço de Jacó: um lugar simbólico para a vida e a espiritualidade do povo da Bíblia.
Começa um diálogo entre a mulher samaritana e Jesus sobre o lugar onde se deveria adorar . “É na montanha ou em Jerusalém?” pergunta a mulher samaritana. Jesus responde: “nem na montanha nem em Jerusalém... os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade pois são esses os adoradores que o Pai procura”. (Jo 4, 21-24)
Ainda acontece que, em vez de uma busca comum da unidade, a competição e a disputa sejam uma característica do relacionamento entre Igrejas. Isso tem sido a experiência vivida no Brasil em anos recentes. Comunidades exaltam suas próprias virtudes e os benefícios que aguardam seus adeptos a fim de atrair novos membros. Alguns pensam que quanto maior for a Igreja, mais numerosos os seus membros e maior o seu poder, mais perto estarão de Deus, apresentando a si mesmos como os únicos adoradores verdadeiros.  Como resultado, tem havido  violência e desrespeito a outras religiões e tradições. Esse tipo de marketing competitivo cria tanto a desconfiança entre as Igrejas como uma falta de credibilidade na sociedade em relação ao cristianismo como um todo. À medida que cresce a competição, a “outra” comunidade se torna o inimigo.
Quem são os verdadeiros adoradores? Verdadeiros adoradores não permitem que a lógica da competição – quem é melhor e quem é pior – contamine a fé. Precisamos de “poços” para nos apoiar, para descansar e abandonar as disputas, a competição e a violência, lugares onde possamos aprender que verdadeiros adoradores adoram “em Espírito e Verdade”.
Questões
  • 1. Quais são os maiores motivos de competição entre nossas Igrejas?
  • 2. Somos capazes de identificar um “poço” comum no qual possamos nos apoiar e descansar de nossas disputas e competições?
Oração
Generoso Deus, frequentemente nossas Igrejas são levadas a escolher a lógica da competição. Perdoa nosso pecado de presunção. Estamos cansados dessa necessidade de estar em primeiro lugar. Deixa-nos descansar no poço.
Refresca-nos com a água da unidade que vem da nossa oração em comum.
Que o teu Espírito, que pairou sobre as águas do caos,
nos traga unidade na nossa diversidade. Amém.

18 janeiro 2015

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2015 - Dia 1

PROCLAMAÇÃO 

Era preciso que atravessasse a Samaria (João 4,1-4)

Comentário
Jesus e seus discípulos viajaram da Judéia para a Galiléia. A Samaria fica entre essas duas áreas. Havia um certo preconceito contra a Samaria e os samaritanos. A reputação negativa da Samaria vinha de sua mistura de raças e religiões. Não era incomum usar caminhos alternativos para evitar pisar  em território samaritano.
O que o Evangelho de João quer expressar, quando diz que “era preciso que atravessasse a Samaria”? Mais do que uma questão geográfica, trata-se de uma escolha de Jesus. “Passar pela Samaria” significa que é necessário ir ao encontro do outro, do diferente, daquele que é muitas vezes visto como uma ameaça.
O conflito entre judeus e samaritanos era antigo. Os antepassados dos samaritanos tinham quebrado laços com a monarquia do sul, que exigia a centralização do culto em Jerusalém (1 Reis 12). Mais tarde, quando os assírios invadiram a Samaria, deportando grande parte da população local, eles trouxeram para o território uma quantidade de estrangeiros, cada um com seus próprios deuses ou divindades (2 Reis 17,24-34). Para os judeus, os samaritanos se tornaram um povo “misturado e impuro”. Mais tarde no Evangelho de João, os judeus, querendo desmoralizar Jesus, acusam-no dizendo: “ Não temos nós razão ao dizer que tu és um samaritano e um possesso?” (João 8,48)
Os samaritanos, por sua vez, também tinham dificuldade para aceitar os judeus (Jo 4,8). A ferida do passado tornou-se ainda maior quando, cerca do ano 128 aC, o líder judeu, João Hircano, destruiu o templo construído pelos samaritanos como lugar de culto no monte Gerazin. Pelo menos em uma ocasião, relatada no Evangelho de Lucas, Jesus não foi recebido numa cidade samaritana simplesmente porque estava a caminho da Judéia (Lc 9,52). Assim, a resistência ao diálogo vinha dos dois lados.
João deixou claro que “atravessar a Samaria” é uma escolha que Jesus está fazendo; ele está indo além do seu próprio povo. Com isso ele está mostrando que, quando nos isolamos daqueles que são diferentes e nos relacionamos apenas com os que são iguais a nós, estamos impondo a nós mesmos um empobrecimento. É o diálogo com os diferentes que nos faz crescer.

Questões
  • 1. O que significa para mim e para minha comunidade de fé “ter que atravessar a Samaria”?
  • 2. Que passos minha Igreja tem dado para ir ao encontro de outras Igrejas e o que as Igrejas têm aprendido umas com as outras?
Oração
Deus de todos os povos,
ensina-nos a atravessar a Samaria
para ir ao encontro de nossos irmãos e irmãs de outras Igrejas.
Leva-nos até lá com um coração aberto
para que possamos aprender com toda Igreja e cultura.
Proclamamos que és a fonte da unidade.
Dá-nos a unidade que Cristo deseja para nós.
Amém.


MAIS INFORMAÇÕES SOBRE A SOUC 2015 EM: http://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_councils/chrstuni/weeks-prayer-doc/rc_pc_chrstuni_doc_20140611_week-prayer-2015_po.html 

17 janeiro 2015

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2015

Começa amanhã a SOUC que decorre de 18 a 24 de Janeiro, todos os anos. Hoje deixamos a introdução ao tema para este ano:

"JESUS DISSE: DÁ-ME DE BEBER"
Jo 4, 7 

1. Quem bebe desta água…
Viagem, sol escaldante, cansaço, sede… “Dá-me de beber!” É um pedido de toda pessoa humana! Deus, que se fez gente em Cristo e se esvazia para compartilhar nossa humanidade (Fl 2, 6-7), é capaz de pedir à mulher samaritana: “Dá-me de beber!” (Jo 4,7). Ao mesmo tempo, esse Deus que vem ao nosso encontro oferece a água viva: “ A água que eu lhe darei se tornará uma fonte que jorrará para a vida eterna.” (Jo 4,14)
O encontro entre Jesus e a mulher samaritana nos convida a experimentar água de um poço diferente e também a oferecer um pouco da nossa própria água. Na diversidade, nos enriquecemos uns aos outros. A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos é um momento privilegiado para oração, encontro e diálogo. É uma oportunidade para reconhecer a riqueza e o valor que estão presentes no outro, no diferente, e para pedir a Deus o dom da unidade.
“Quem bebe desta água sempre volta” – diz um provérbio brasileiro, utilizado quando uma pessoa que nos visita vai embora. Um copo refrescante de água, chimarrão[1], tereré[2] são sinais de acolhimento, diálogo e convivência. O gesto bíblico de oferecer água a quem chega (Mt 10,42), como forma de acolhida e partilha, é algo que se repete em todas as regiões do Brasil.
O estudo e a meditação propostos neste texto para a Semana de Oração têm o objetivo de ajudar as pessoas e comunidades a perceber a dimensão dialogal do projeto de Jesus, que chamamos de Reino de Deus. O texto afirma a importância de uma pessoa conhecer e compreender sua própria identidade para que a identidade do outro não seja vista como uma ameaça. Se não nos sentimos ameaçados, estaremos capacitados para experimentar o outro como algo complementar: sozinha, uma pessoa ou uma cultura não se basta! Por isso, a  imagem que emerge das palavras “dá-me de beber” é algo que nos fala de complementaridade: beber água do poço de alguém é o primeiro passo para experimentar o modo de ser do outro. Isso leva a uma partilha de dons que nos enriquece. Quando os dons do outro são recusados, há prejuízo para a sociedade e para a Igreja.
No texto de João 4, Jesus é um estrangeiro que chega cansado e com sede. Ele precisa de ajuda e pede água. A mulher está na sua própria terra; o poço pertence a seu povo, à sua tradição. Ela é dona do balde e é ela que tem acesso à água. Mas ela também está com sede. Eles se encontram e esse encontro oferece uma inesperada oportunidade para ambos. Jesus não deixa de ser judeu porque bebeu água oferecida por uma mulher samaritana. A samaritana permanece sendo ela mesma ao acolher o caminho de Jesus. Quando reconhecemos que temos necessidades recíprocas, a complementaridade acontece em nossas vidas de modo mais enriquecedor. Esse “Dá-me de beber” nos impulsiona a reconhecer que pessoas, comunidades, culturas, religiões e etnias precisam umas das outras.
Dizer “Dá-me de beber” supõe que Jesus e a Samaritana se perguntam mutuamente sobre aquilo de que têm necessidade. Dizer “Dá-me de beber”, leva-nos a reconhecer que as pessoas e as populações na sua diversidade, as comunidades, as culturas e as religiões têm necessidade uns dos outros.
“Dá-me de beber” traz consigo uma ação ética que reconhece a necessidade que temos uns dos outros na vivência da missão da Igreja. É algo que nos impele a mudar nossa atitude, a nos comprometer com a busca da unidade no meio de nossa diversidade, através de nossa abertura para uma variedade de formas de oração e espiritualidade cristã.
2. O contexto eclesial e religioso do Brasil
O Brasil pode ser considerado um país muito religioso. É tradicionalmente conhecido como um país em que uma certa “cordialidade” caracteriza as relações entre classes sociais e grupos étnicos. No entanto, o Brasil está vivendo um tempo de crescente intolerância manifestada em altos níveis de violência, especialmente contra minorias e os mais vulneráveis: pessoas negras. Jovens, homossexuais, praticantes de religiões afro-brasileiras, mulheres e indígenas. Essa intolerância esteve escondida por muito tempo. Tornou-se mais explícita e revelou um Brasil diferente quando, em 12 de outubro de 1995, na festa de Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do país, um dos bispos de uma Igreja neo-pentecostal chutou uma estátua de Nossa Senhora Aparecida durante uma apresentação de nível nacional na TV. Desde então, temos tido outros incidentes de intolerância religiosa a partir de grupos cristãos. Tem havido também situações similares de intolerância cristã em relação a outras religiões, particularmente quando se trata de tradições indígenas e afro-brasileiras.
A lógica que está por baixo desse tipo de comportamento é a competição pelo mercado religioso. De modo crescente, no Brasil, alguns grupos cristãos adotam uma atitude competitiva de uns com os outros: é uma competição por um lugar na comunicação de massa, por novos membros e fundos públicos para grandes eventos. O papa Francisco aponta para esse mesmo fenômeno quando escreve: “O mundanismo espiritual leva alguns cristãos a estar em guerra  com outros cristãos que se interpõem na sua busca pelo poder, prestígio, prazer ou segurança econômica.” (Evangelii Gaudium, 98)
Essa situação de competição religiosa tem afetado a vida tradicional das confissões cristãs, que têm experimentado uma redução ou estagnação no número de seus membros. Isso tem impulsionado a idéia de que uma Igreja forte e dinâmica é uma Igreja que tem um número elevado de membros. Como resultado, há uma tendência no meio de setores significativos de Igrejas tradicionais de afastamento da busca da unidade visível da Igreja cristã.
Essa cristandade voltada para o mercado investe em políticas partidárias e, em alguns casos, cria seus próprios partidos políticos. Tem se alinhado com interesses específicos de grupos, como o dos latifundiários, os ligados ao agro-negócio e aos mercados financeiros. Alguns observadores chegam a falar que há uma força confessional na vida política, que ameaça a separação entre o Estado e a religião. Assim, a lógica ecumênica da derrubada das paredes da divisão é substituída por uma lógica “corporativista” e pela proteção de interesses de algumas denominações.
Embora o Censo oficial de 2010 mostre que 86,8% dos brasileiros se identificam como cristãos, o país tem taxas bem altas de violência. Assim, a alta percentagem de filiação cristã não parece se traduzir em atitudes não violentas e respeito pela dignidade humana. Essa afirmação pode ser ilustrada pelos seguintes dados:
Violência contra as mulheres – entre 2000 e 2010, 43.700 mulheres foram assassinadas no Brasil. Quarenta e uma por cento dessas mulheres que sofrem violência são violentadas em suas próprias casas.
Violência contra povos indígenas – a violência contra a população indígena freqüentemente está relacionada com o desenvolvimento de hidroelétricas e a expansão do agro-negócio. Esses dois projetos expressam o modelo de desenvolvimento que prevalece hoje no país. Eles contribuem significativamente para a lentidão nos processos de demarcação e reconhecimento de territórios indígenas. Em 2011, o relatório “Violência contra povos indígenas no Brasil”, da Comissão Pastoral da Terra (CPT), um organismo ligado à Conferência de Bispos da Igreja Católica do Brasil, identificou 450 projetos econômicos a serem desenvolvidos em terras indígenas no Brasil. Esses projetos acontecem sem a adequada consulta aos povos indígenas, que está prevista na Convenção 189 da Organização Internacional do Trabalho. O relatório da CPT denuncia o assassinato de 500 indígenas entre 2003 e 2011; 62,7% dessas mortes aconteceram no estado de Mato Grosso do Sul. A média anual de assassinatos é de 55,8 indígenas.
A dominante intolerância, em suas variadas formas, deveria ser enfrentada de maneira positiva: respeitando a legítima diversidade e promovendo o diálogo como um caminho permanente de reconciliação e paz, como fidelidade ao evangelho.
3.    Opção hermenêutica
A metodologia adotada pelo CEBI, e largamente posta em prática na América Latina, é chamada de Leitura Contextual da Bíblia. Trata-se de uma abordagem do texto que é, ao mesmo tempo, acadêmica e popular. Nessa metodologia, o ponto de partida para qualquer teologia e interpretação bíblica é a vida cotidiana. Adotamos a abordagem que vemos em Jesus no caminho de Emaús (cf Lc 24,13-24): Que está acontecendo? De que vocês estão falando? Partindo do contexto, vamos ao texto bíblico. Nessa viagem metodológica, a Bíblia é uma lâmpada para os nossos pés, uma luz para o nosso caminho (Sl 119,105). Tomamos a Bíblia como um raio de luz a iluminar o caminho de nossas vidas. O texto bíblico nos ensina e nos transforma para que possamos dar testemunho da vontade de Deus no contexto em que vivemos.
4.    A caminhada através dos dias
A caminhada que estamos propondo para os oito dias começa com uma proclamação, que conduz a denúncia, renúncia e testemunho. A Semana começa com a proclamação de um Deus que nos criou à sua própria imagem, que é a imagem do Deus Triuno, unidade na diversidade. A diversidade é parte do plano de Deus. A seguir, algumas situações de pecado que levam à injustiça são denunciadas. Em terceiro lugar, a renúncia a essas atitudes pecaminosas que levam à exclusão se apresenta como um passo na direção da unidade do Reino de Deus. Finalmente, damos testemunho da gratuidade de Deus, que está sempre disposto a nos acolher apesar de nossa imperfeição, com seu Santo Espírito nos animando na direção da reconciliação e da unidade. Assim vivemos a experiência de Pentecostes, com os múltiplos dons do Espírito que levam a tornar realidade o Reino de Deus.